quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Dou por mim a pensar sobre frases que nunca escrevi. Momentos que não legendei. Por vezes não devemos escrever sobre eles. Ficam no encantamento dos ponteiros do tempo. Assim, a memória não nos atraiçoa, embora não nos liberte. Há momentos indizíveis. Tão grandes que não cabem nas palavras.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Faço por guardar, já com pó evidente, as palavras, porque de nada me servem. Resto eu, inteira, nua, crua e macia, ali deitada. Espero entender porque me abro, sabendo de antemão a resposta. Mas insisto, embora nunca tenha conseguido alcançar o teu alcance e apenas sei que a minha carne gosta de ser chamada de carne. Que a espantosa ternura que por ti me escorre, permanece. Sem conflito. Que este lugar onde me encontro, seria um matadouro de sonhos, mas eu fervo de realidade.
O meu tempo e a saudade são verdadeiros - tão intrínsecos, tão tangentes. 

Metade de mim, deseja-te. A outra metade, deseja-te e guarda-te com delicadeza sem te dobrar. 

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Abate, reduz e aniquila
ao ponto final, recta tangente,
que resiste em não resistir.
Dá-me os braços,
magoa-me, 
espreme os minutos e derrama-os
ao acaso, mas certeiro.
A omissão pode ser simplesmente perfeita

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Faz tanto tempo que a escrevi,
mas ao perdê-la, decorei-a profunda e solenemente
nas raízes desta alma.
Descrevi as complexas sensações do mundo e 
nela jurei unicidade e outros encantos.

És a mensagem que um dia escrevi.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Se a vida fosse escolhida, como um dia de chuva, 
levava-te pelas mãos nas ruas desta cidade.
Não te diria uma palavra, mas saberias escutar-me,
nem voltaria a sentir, nunca mais, a minha própria ausência.

sábado, 7 de setembro de 2013

O tempo pára. Estagna de forma ambígua
As ruas e as pessoas são agora quadros perfeitos.
No fundo, tudo permanece inalterado.
Fecho os olhos e és só tu.
Só tu.

Estar contigo é matar o que me rodeia.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Vejo a vida. Em crescendo. Nunca o oposto.
Porque em ti nada morre.
Em ti correm rios, turvos, secos,
mágicos e indizíveis.
Em ti corre o nada que depois
se faz tarde ou cedo demais.
Pode não ser coisa alguma, 
mas daqui a instantes invades-me. 

E é por isto,
É por tudo isto.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013



Se eu pudesse, trazia-te nas vagas macias e deitava-te nas minhas pernas flectidas.

Seriamos vidas como tantas outras, mas menos distantes.
Menos distantes e com asas feitas de pele.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Vi um homem que olhava para as suas mãos pousadas. Sempre que levantava os olhos, estes brilhavam num pedido.
Vi uma mulher que se olhava ao espelho com vergonha que se notasse, e o guardava para depois o voltar a tirar. Incessantemente.
Vi uma criança no colo da mãe. Agarrada ao seu pescoço num sono tão descansado que só a inocência pode proporcionar.
Vi toda a gente com as suas transparências difíceis de não notar. Tão claros e sobrepostos que estavam. Uns através dos outros.
Vi-me a mim. Sentada a desejar que ninguém estivesse triste, ou a minha viagem acabaria ali.
Por vezes, a vida é insuportável.

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Tantas vezes te sonhei e troquei
para não esperar mais porque já era tarde...
Mas não era.
Agora vejo que não era.
Por isso, páro o tempo, 
e ao segurá-lo,
doem-me as mãos.
E a alma.
Mas sei parar o tempo por ti.